terça-feira, 31 de julho de 2012

Confia Sempre


Não percas a tua fé entre as sombras do mundo.
Ainda que os teus pés estejam sangrando, segue para a frente, erguendo-a por luz celeste, acima de ti mesmo.
Crê e trabalha. Esforça-te no bem e espera com paciência.
Tudo passa e tudo se renova na Terra, mas o que vem do céu permanecerá.
De todos os infelizes, os mais desditosos são os que perderam a confiança em Deus e em si mesmos, porque o maior infortúnio é sofrer a privação da fé e prosseguir vivendo.
Eleva, pois o teu olhar e caminha.
Luta e serve. Aprende e adianta-te.
Brilha a alvorada além da noite.
Hoje, é possível que a tempestade te amarfanhe o coração e te atormente o ideal, aguilhoando-te com a aflição ou ameaçando-te com a morte.

Não te esqueças, porém de que amanhã será outro dia.

Meimei

sábado, 28 de julho de 2012

Alma Gêmea


"Alma gêmea de minha alma...
flor de luz de minha vida....
Sublime estrela caída...
das belezas da amplidão
Quando eu errava no mundo...
triste e só, no meu caminho,
Chegaste, devagarinho,
E encheste-me o coração....
Vinhas na bênção dos deuses
Da divina claridade,
Tecer-me a felicidade
Em sorrisos de esplendor!!!
És meu tesouro infinito,
Juro-te eterna aliança,
Porque sou tua esperança,
Como és todo meu amor!
Alma gémea de minha alma,
Se eu te perder algum dia...
Serei tua escura agonia,
Da saudade nos seus véus...
Se um dia me abandonares,
Luz terna dos meus amores,
Hei de esperar-te, entre as flores
Da claridade dos céus."

Psicografado por Chico Xavier
Autor: (Emmanuel (psicografado por Chico Xavier)

Música: Alma Gêmea por Elisabete Lacerda

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Apelo Pelos Animais

“Vós que vedes luzes nestas letras que traçam a evolução espiritual,
tende compaixão dos pobres animais!
Sede bons para com eles,
como desejais que o Pai Celestial vos cerque de carinho e de amor!
Não encerreis os pássaros em gaiolas...
Renunciai às caçadas...
Acariciai os vossos animais!
Dai-lhes remédios na enfermidade...
...alimento para matar a fome...
... e repouso na velhice!
Lembrai-vos de que os animais são seres vivos, que sentem,
que pensam, que se cansam, que tem força limitada, que adoecem,
que envelhecem...
Que sentem falta de carinho...
Que sentem falta de atenção!
Os animais são vossos companheiros de existência terrestre!
Como vós, eles vieram progredir, estudar, aprender!
Sede seus anjos tutelares...
Sede benevolentes para com eles,
como é benevolente para com todos,
o nosso Pai que está nos céus!”


Nosso Divino Mestre Jesus, foi a expressão máxima da doçura para com todos os seres vivos.
Que possamos seguir-lhes este exemplo!

Autor do texto: Cairbar Schutel

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Apontar


  A tendência de nossas imperfeições é nos levar a comparação com outras pessoas, porém essa comparação que hora pode ser sadia, hora também pode ser prejudicial.
  Se comparar a alguém visando seguir bons exemplos de conduta é perfeitamente correto e muitas vezes recomendado, pois dificilmente vemos nossas próprias imperfeições. No entanto, se comparar a alguém visando se demonstrar superior, é algo a ser repensando.
  Ao julgarmos o nosso próximo como alguém inferior a nós, muitas vezes deixamos de lado as nossas próprias falhas e atacamos inconscientemente aquele que na verdade está sendo um exemplo para nós. Sua conduta errada não quer dizer que ele seja inferior, mas sim que ele precisa de nossa ajuda e que nós podemos aprender com os erros dele, para então não fazermos o mesmo.

 

  Interroguemos a nossa própria consciência sobre nossas imperfeições antes de julgarmos qualquer irmão(ã) nosso. Quem de nós pode deitar sua cabeça no travesseiro pela noite à fora e dizer a si mesmo: "Obrigado Senhor, hoje nada tenho contra o meu próximo!"?
  Já dizia o mestre Jesus para não julgarmos, evitando assim sermos julgados, pois a mesma moeda com que pagamos é a que seremos pagos, a mesma medida que medimos é a que seremos medidos.

terça-feira, 24 de julho de 2012

Bíblia

  O estudo da Bíblia é importante e interessa a todos os cristãos (inclusive, portanto, aos espíritas), porque é na Bíblia que encontramos os relatos sobre a vida de Jesus (que era judeu, da casa de Judá, (uma das tribos dos hebreus) e a história do povo em que ele nasceu e viveu. Conhecendo o povo, a época, os lugares e as circunstâncias em que Jesus viveu, poderemos entender melhor seus atos e sua mensagem. Mas, não podemos ignorar que o Velho Testamento há uma parte humana e uma parte divina.


  A parte humana é constituída pelas idéias que os hebreus faziam quanto à origem do Universo, a criação da Terra e dos seres que a habitam; pela legislação civil, disciplinar, estatuída por Moisés e outros dirigentes do povo hebreu. Dessa parte humana da Bíblia, muita coisa ficou ultrapassada pelo progresso do conhecimento humano e mudança dos costumes sociais. Exemplo: O dever de os pais apresentarem o filho rebelde e contumaz para ser apedrejado e morto (Deut. 21: 18 a 21).  E a parte divina é constituída pelas revelações feitas por Bons Espíritos em nome de Deus e através de Moisés e outros profetas (médiuns), transmitindo ensinamentos sublimes sobre as leis divinas. Como tudo que é divino, essa parte dos ensinamentos bíblicos não mudou nem perdeu seu valor, permanecendo atual sempre. Exemplo: O Decálogo (os dez mandamentos).

  Não basta, pois, ler a Bíblia e decorar suas passagens. É preciso entender, discernir e interpretar o que ela contém. E muito nos ajudará, no entendimento das passagens bíblicas, o conhecimento de usos e costumes do povo hebreu, caráter dos israelitas, o modo de se expressar em imagens fortes e simbólicas, etc. Exemplo: Eliseu, a caminho de Betel, encontra um bando de crianças que, em infantil folia, o chamam de careca. Tomado de irritação ele evoca sobre elas a cólera divina. Logo após, duas ursas saem de um bosque próximo e dilaceram 42 crianças; Salomão, proclamado sábio dos sábios, iniciou seu reinado mandando eliminar seu irmão Adonias. Consta que castigava impiedosamente seus adversários e que tinha 700 mulheres e 300 concubinas; Ezequiel, supostamente inspirado por Deus, fez-se amarrar, comeu um pergaminho e deitou-se 390 dias sobre o lado direito, mais 40 sobre o esquerdo, depois banqueteou-se comendo bolos assados sobre excrementos humanos . . .

  Então, embora estudemos também o Velho Testamento, é o Novo Testamento que os espíritas dão maior importância e valor, porque nele está o cerne doutrinário do Cristianismo, o ensinamento espiritual do Cristo, revelação mais avançada e aperfeiçoada que a de Moisés.

  Lembrando que um doutor da lei (conhecedor das leis mosaica) testou Jesus perguntando qual era o maior mandamento da Lei, e Jesus respondeu: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, este é o maior e o primeiro mandamento (Deuteronômio 6:5). E o segundo, semelhante a este é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo (Levítico 19:18). Estes dois mandamentos contém toda A LEI E OS PROFETAS."
Mas, o que é A LEI e quem são OS PROFETAS?

  A Lei são as regras contidas nos 5 primeiros livros do Antigo Testamento (Torah) atribuídos a Moisés: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio. Uma parte são leis civis, disciplinares, e humanas; a outra parte são revelações feitas por Bons Espíritos em nome de Deus e através de Moisés (os 10 Mandamentos).

  Os Profetas são os demais livros do Velho Testamento (Isaías, Jeremias, Ezequiel, Daniel, etc.).

  Como podemos observar, Jesus demonstrou como sempre, perfeito conhecimento das escrituras, retirou dois mandamentos da legislação mosaica e usou para resumir o Velho Testamento (A Lei e os Profetas). É como se Ele dissesse: “ESTAS DUAS LEIS RESUMEM O ANTIGO TESTAMENTO.” Agora perguntemos: “QUEM CONSEGUE SEGUIR ESTAS DUAS LEIS?” Afinal, para amarmos Deus, teremos que aprender a amar, respeitar toda Sua criação (a flora, a fauna, enfim a Natureza em geral, o próximo e inclusive a nós mesmos).

  Perguntemos novamente: “QUEM JÁ CONSEGUE PRATICAR ESTE AMOR”. Consultemos nossa consciência.

Fonte: Apostila do Grupo de Estudos Allan Kardec

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Perante os Amigos


"O amigo é uma bênção que nos cabe cultivar em clima de gratidão..." - André Luiz

Quem diz que ama e não procura compreender e nem auxiliar, nem amparar e nem servir, não saiu de si mesmo ao encontro do amor em alguém.

A amizade verdadeira não é cega, mas se enxerga defeitos nos corações amigos, sabe amá-los e entendê-los mesmo assim.

Teremos vencido o egoísmo em nós quando nos decidirmos a ajudar os entes amados a realizarem a felicidade própria, tal qual entendem eles deva ser a felicidade que procuram, sem cogitar de nossa própria felicidade.

Em geral, pensamos que nossos amigos pensam como pensamos, no entanto, precisamos reconhecer que os pensamentos deles são criações originais deles próprios.

A ventura real da amizade é o bem dos entes queridos.


Assim como espero que os amigos me aceitem como sou, devo, de minha parte, aceitá-los como são.

Toda vez que buscamos desacreditar esse ou aquele amigo, depois de havermos trocado convivência e intimidade, estaremos desmoralizando a nós mesmos.

Em qualquer dificuldade com as relações afetivas é preciso lembrar que toda criatura humana é um ser inteligente em transformação incessante, e, por vezes, a mudança das pessoas que amamos não se verifica na direção de nossas próprias escolhas.

Quanto mais amizade você der, mais amizade receberá.

Se Jesus nos recomendou amar os inimigos, imaginemos com que imenso amor nos compete amar aqueles que nos oferecem o coração.

ANDRÉ LUIZ
(Sinal Verde, 12, FCXavier, edição CEC)

sábado, 21 de julho de 2012

Palestra Espírita - Racismo


  Neste vídeo vemos a explicação de Juan Marcelo sobre o ponto de vista espírita relacionado ao tema "Racismo".

Mensagem do autor do vídeo:

"Não há, na face da Terra, doutrina filosófica, moral, ética, científica e religiosa mais PODEROSA para combater o preconceito racial que a DOUTRINA ESPÍRITA.

Entender que somos espíritos imortais, que reencarnamos como lei da Natureza, em situações diversas, povos, climas, idiomas e cores diversas, é a ideia que desenvolvo hoje.

O espírito não tem cor, não tem raça, não tem nacionalidade, não tem idioma, não tem povo...simplesmente porque, em pleno ano de 2012, nosso espírito já reencarnou entre os povos ocidentais,orientais, africanos, indianos, indígenas, europeus, americanos de norte a sul etc.

Parece incrível? Assistam ao vídeo. Não percam.

Abraços a todos, fiquem na paz de Deus, e do mestre, o Cristo."



Font: http://kardeconline.com.br

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Comodismo


  Hoje em dia temos o auxílio da ciência e da tecnologia para exercer muitas funções e atividades em nossas vidas e por isso acabamos cometendo um erro grave, o de nos acomodarmos.
  É crescente o número de pessoas que se tornam obesas justamente por causa do comodismo, pois é mais fácil fazer um humburger de microondas em 1 minuto do que cozinhar um almoço. É mais fácil enviar um e-mail dizendo "Olá" do que ir visitar um amigo de quem sentimos saudade.
  O comodismo gera tamanha dificuldade em nossas vidas que causa até mesmo a incapacidade de trabalhar. Vemos isso no caso de pessoas que trabalham em suas próprias residências, as quais precisam policiar os seus horários, pois a TV é uma distração que pode lhe tirar do serviço, o sono é um atraso nas horas em que você deveria estar trabalhando mas preferiu ficar no aconchego da cama.
  Devemos nos recordar que existe um ditado muito valioso e verdadeiro: Deus ajuda quem cedo madruga!


  É preciso se libertar do comodismo e viver a vida, fazer parte de círculos sociais presencialmente, acordar cedo e receber os primeiros raios de sol e sentir o ar puro que lhe motiva a vivenciar um dia inteiro de trabalho que lhe trará ótimas recompensas pelo seu esforço.
  Deixemos de lado a preguiça e o comodismo para os momentos em que realmente devemos relaxar e nos apliquemos mais em nossas tarefas da vida diária. Ora, o progresso somente vem com o nosso esforço e dedicação, sem ler você não pode aprender, sem trabalhar você não pode ganhar, sem ter contato com alguém você não pode amar. Observemos o esforço de Jesus que por muitos lugares caminhou a pé e muitas casas visitou, muitas pessoas receberam seu amor, suas palavras de fé, mas ele sempre procurou fazê-lo presencialmente, ou mandava alguém fazê-lo por ele, mas não mandava cartas porque cartas não sorriem, cartas não abraçam, cartas levam apenas palavras vazias que terão muitas vezes dupla interpretação e que podem não passar a mensagem como esperado.




quinta-feira, 19 de julho de 2012

O Maior Exemplo



Questão nº 625 do Livro dos Espíritos: Qual é o tipo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem para lhe servir de guia e modelo?

Resposta: Jesus!

Jesus é inquestionável em suas boas ações, agia sempre com o coração, pensava sempre no próximo e não em si próprio, possuia a fé inabalável e mesmo quando o caminho lhe parecia sofrível demais, buscava na oração a força para se reerguer.

Você pode pensar agora e dizer: mas eu não sou Jesus!


É verdade, você não é, eu não sou, ninguém aqui na terra se aproxima do Cristo, mas isso não é desculpa para você não tentar. Jesus é o nosso maior exemplo, é nele em quem devemos confiar e é dele que devemos tirar as lições para a nossa vida.

Não ser Jesus não lhe impede de interrogar a sua consciência sobre cada ato que você faz, fez ou fará. A dúvida sempre surgirá: será que o que estou fazendo é correto? A resposta vem com outra pergunta que você pode fazer a si mesmo: O que Jesus faria em meu lugar?

É por isso que a presença dos ensinamentos do Cristo em uma religião é tão importante, pois como podemos aprender algo sobre Deus se deixarmos de lado o nosso maior exemplo? Uma religião que não ensina o evangelho pode se perder no caminho e pior do que isso, pode desviar seus fiéis do caminho, pois a porta é estreita e se andarmos em um caminho paralelo, iremos dar de cara no muro.

Reflitamos então sobre a importância de Jesus e de seus exemplos em nossas vidas e tomemos a consciência de que devemos sempre nos questionar sobre o que é certo e o que é errado, sobre o que gostaríamos que nos fizessem e tomemos Jesus como o maior e melhor ponto de referência de toda a história da humanidade.


quarta-feira, 18 de julho de 2012

A BÍBLIA CONDENA O ESPIRITISMO?



  Muitos, que não conhecem a Doutrina Espírita, dizem que a Bíblia condena o Espiritismo. Mas, em verdade, a Bíblia não condena o Espiritismo. Porque, quando a Bíblia foi elaborada, reunidos os vários livros que compõem, não havia o Espiritismo. A Bíblia é um conjunto de livros, e esse conjunto todo, Antigo e Novo Testamento, foi escrito ao longo de 1571 anos (quase 16 séculos), começou por Moisés em 1437 a.C., até João em 98 d.C.. Espiritismo é um vocábulo criado em 1857 por Allan Kardec, e que define uma nova ordem de idéias, afim de diferenciá-lo do que era conhecido por espiritualismo. ESPIRITISMO é uma doutrina filosófica, científica e religiosa.

  ESPIRITUALISMO é a crença em algo além da matéria. Muitas crenças crêem na comunicação com os espíritos (espírito santo, caboclos, etc. ), mas não são espíritas, porque não seguem os ensinamentos trazidos pelos espíritos através de médiuns e organizado por Allan Kardec. Na verdade, o que a Bíblia proíbe é a evocação dos mortos, conforme se lê em Moisés. Este proibiu porque tal prática era possível, e além de ser possível dela se abusava. Ainda hoje há abusos, como procurar um(a) médium para pedir aos espíritos favores materiais como: destruir casamento, pessoas, etc.; buscar solução para problemas familiares, financeiro, sentimental, etc.; e para alcançar o desejado, muitos usam rituais que sacrificam animais, e até crianças . . . Lembrando que espíritos que pedem sacrifícios animais ou humanos, bebidas, charutos, comida, etc., e se propõe a fazer mal ao próximo, não são espíritos de grande evolução. Os que buscam, os que intermediam e o espírito que aceita tal trabalho estão contrariando a Lei de Deus. Respeitamos o livre arbítrio de cada um, mas, devemos advertir que não é uma prática espírita, ou melhor, cristã. Nós espíritas, nas práticas mediúnicas, tentamos esclarecer aos espíritos maldosos e viciosos, sobre a colheita dos seus atos; conversamos também com espíritos revoltados, apegados à matéria, que não entendem sua condição de desencarnado; ou com espíritos odiosos que para vingar-se, tornam-se obsessores na vida daquele que lhe fez mal; damos à outros espíritos a oportunidade de comunicar-se com a família, para trazer consolo, paz, como fez Chico Xavier por muitos anos, lembrando que tais mensagens ajudavam a retirar a revolta, o ódio, a vingança, o suicídio, do coração dos familiares; ou então, recebemos mensagens que nos aconselham como agir no dia-a-dia de maneira cristã, como as mensagens de Emmanuel, André Luiz, Joanna de Ângelis, etc. Nós espíritas, evocamos os "MORTOS" quando há uma intenção útil, como fez Allan Kardec, ou quando fazemos preces à eles. Pois a prece nos liga, pelo pensamento, com os desencarnados. E quando eles querem (e podem) se comunicar, são eles que nos evocam. Aliás, não só nós espíritas, mas todos aqueles com sensibilidade mediunica. Já que a mediunidade não foi inventada pelos espíritas, e nem é de nossa propriedade. Na Bíblia, por exemplo, há várias comunicações mediunicas, e o Espiritismo nem existia. Um exemplo é o rei Saul buscando uma médium para aconselhar-se com Samuel que já estava “MORTO”.

  Essa passagem está em I Samuel, cap. 28: vv 8 á 15. O rei Saul proibiu a evocação de mortos, mas ele mesmo a transgrediu. Agora perguntemos: Jesus transgrediu a lei de Moisés, quando evocou os espíritos do próprio Moisés e de Elias no monte Tabor? Será que Moisés deu um puxão de orelha em Jesus dizendo: “Você transgrediu a minha lei?” Claro que não. Jesus apenas mostrou aos apóstolos que a vida é eterna, que ninguém morre. Sua evocação foi para algo útil. Ali Ele liberou a comunicação com os "MORTOS". Afinal, se os espíritas transgridem a lei de Moisés que está em Deuteronômio 18:11, as religiões que nos condenam, seguem todas as outras leis? Por exemplo: A lei de Moisés que está em Deuteronômio 21-18à21 e diz: "Os filhos desobedientes e rebeldes, que não ouçam seus pais e se comprometam no vício, serão apedrejados até a morte." Quem segue esta lei? Graças a Deus, não vemos pais apedrejando filhos por aí. Aliás, quantas igrejas, templos, estariam vazios, pois a maior parte dos "convertidos" foram, ou são, filhos desobedientes e rebeldes.

  Em seus depoimentos, muitos dizem "eu sou ex-viciado", "sou ex-detento", "dei muito desgosto para minha família", etc. Portanto, se a lei de Moisés fosse aplicada, não daria tempo de “aceitar Jesus” ou se "converter" a qualquer religião, porque estaríamos mortos.

Kardec nos adverte no cap. XVIII, item 51 dizendo: “Lançar reprovação contra os que não pensam como nós, é reclamar essa liberdade para nós e recusá-la aos outros . . ."

Fonte: Apostila 1 do Grupo de Estudos Allan Kardec

terça-feira, 17 de julho de 2012

Reiki e Passe Espírita

O QUE É REIKI?
 
Reiki é um conjunto de palavras japonesas que significam "passagem livre de energia universal de força vital".
REI - significa passagem livre.
KI - significa energia de força vital.
Reiki não tem nenhum caráter religioso, é uma prática espiritual esotérica desenvolvida em 1922 pelo japonês Mikao Usui que é baseada na canalização da energia universal (rei) através da imposição de mãos com o objetivo de restabelecer o equilíbrio energético vital de quem a recebe e, assim, restaurar o estado de equilíbrio natural (seja ele emocional, físico ou espiritual); podendo eliminar doenças e promover saúde. O atendimento é feito com hora marcada e a prática se dá com o indivíduo deitado numa maca.
O Terapeuta ou o Mestre não cobra pela energia, que é gratuita, mas cobra pelo trabalho, pelo tempo e dedicação. Sendo hoje uma profissão legalizada pelo Governo Brasileiro, o Terapeuta Reiki cobra como qualquer outra terapia, de acordo com o nível financeiro da região onde trabalha. Além das despesas com estudo e aperfeiçoamento contínuo, quem trabalha com esta Terapia tem despesas com a estrutura do trabalho, material, luz, etc.
 
O QUE É PASSE ESPÍRITA?
 
O Passe Espírita, ou Fluidoterapia, como é também conhecido, é uma transfusão de uma certa quantidade de energias fluídicas vitais (psíquicas) ou espirituais, utilizando-se a imposição das mãos, com o propósito de atuar em nível perispiritual, usada e ensinada por Jesus, como se vê nos Evangelhos. Origina-se das práticas de cura do Cristianismo Primitivo. Há pessoas (médiuns passistas) que tem uma capacidade maior de absorção e armazenamento dessas energias que emanam do Fluido Cósmico Universal e da própria intimidade do Espírito. Tal capacidade as coloca em condições de transmitirem essas energias a outras criaturas que eventualmente estejam necessitando. A aglutinação dessa força se faz automaticamente e também, atendendo ao apelo do médium passista (prece) que então municiado dessa carga, transmite de suas mãos. O passe ocorre, geralmente, nos Centros Espíritas, e no caso da pessoa não poder se locomover até uma casa espírita, o passista poderá ir até o necessitado. Normalmente é ministrado na pessoa sentada, mas quando esta está acamada, num hospital, por exemplo, pode aplicar na pessoa deitada. A prática do passe é totalmente gratuita porque seguimos a recomendação do Cristo: “Dai de graça o que de graça recebeste.” Devemos ajudar todos de igual maneira, mas, principalmente os que não podem pagar. E acreditamos que a cura só é possível com a permissão divina. André Luiz em Opinião Espírita, cap. 55 explica que: “(...) Os Centros Espíritas precisam, ao lado do passe, propiciar os meios para que frequentadores conheçam a doutrina e se exercitem num trabalho íntimo de evangelização, para a conquista da saúde definitiva.” Porque com a cura física, muitas pessoas se atiram de novo ao desregramento, voltando a se prejudicarem. Mas quem aprende que precisa se aprimorar espiritualmente na prática do Bem e nisso se empenha, quer alcance ou não a cura do corpo, encontrará o caminho para a cura verdadeira e duradoura, a manutenção do equilíbrio em seu espírito imortal. Portanto, empenhemo-nos em curar males físicos, se possível. Mas lembremos, porém, que o Espiritismo ajuda na “cura das moléstias morais”, a grande causadora das doenças. Não queiramos dar maior importância à cura de corpos do que a cura do espírito.
Como vimos, o Reiki também ajuda muitos doentes saírem física e mentalmente recuperados. Deus não beneficia só os espíritas ou os freqüentadores da casa espírita. Por isso, cabe a nós, espíritas, respeitarmos as mais diversas modalidades e formas de cura. São meios úteis de minimizar o sofrimento alheio. Mas, queremos esclarecer, que não somos contra métodos, técnicas, rituais, etc., adotados por outras seitas, religiões, terapias holísticas ou alternativas. A Doutrina nunca diz ser “contra” alguma coisa, no máximo “não é favorável”. Ela nunca diz “não pode”, no máximo diz “não deve”. Pregamos o livre arbítrio, portanto, temos obrigação de exercê-lo. Mas, não é por respeitarmos que as adotaremos. Não queremos impor aquilo que acreditamos a ninguém, mas não queremos que nos imponham o que não aceitamos. Não gostaríamos de ver implantado na Casa Espírita o que não pertence a ela. Mas aquele que acredita ser certo o que pratica, não deve se melindrar com opinião contrária, “a cada um segundo sua consciência”.



Fonte: Texto de Rudymara do Grupo de Estudo Allan Kardec http://grupoallankardec.blogspot.com)

domingo, 15 de julho de 2012

Livros

Reproduzo abaixo na íntegra o post do senhor Artur Felipe Azevedo que nos presenteia com a recomendação de algumas obras espíritas importantes para a leitura.

A responsabilidade pelos conteúdos não é deste blog, pois como disse apenas estou reproduzindo o texto, não estando portanto armazenando nenhum dos livros citados neste blog.

É sempre recomendável a compra de qualquer livro, evitando-se assim o ato de pirataria.

Confiram abaixo o texto na íntegra:

"Temos todos notados à enxurrada de livros anti-doutrinário que vêm lotando as prateleiras de Centros e livrarias Brasil afora. Claro que cada um pode ler o que bem quiser, porém cabe sempre aos mais atentos informar que nem sempre as obras que são lançadas como sendo espíritas o são verdadeiramente, porque afrontam, sutilmente ou não, os mais elementares princípios da Doutrina Espírita. Infelizmente, há uma tendência - por pura ingenuidade e/ou desconhecimento - de se acreditar que toda obra mediúnica é confiável, ou seja, que deriva de uma fonte pura e que, consequentemente, está em conformidade com o que ensina o Espiritismo.
 Para ajudar nossos leitores a adquirem uma maior cultura espírita, relacionamos livros subsidiários de excelente qualidade que desenvolvem o pensamento espírita de maneira cristalina e fidedigna. Recomendamos que, antes de tudo, estudemos e leiamos as obras da Codificação Espírita, não só uma vez, mas constante e incessantemente."

Boa leitura!
CLICK NOS TÍTULOS ABAIXO PARA ACESSAR O CONTEÚDO!



Autor: Artur Felipe Azevedo
Fonte: Kardec Online 

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Perdão



  A alma pura e generosa exibe paz e harmonia, serenidade e confiança, pratica a caridade por meio do perdão e mostra-se assim, elevada.
  A alma materialista ainda perdida no orgulho, no ódio, no sofrimento interno, tende a ser rigorosa, a guardar mágoas, a não perdoar.
  O verdadeiro perdão não ocorre apenas por palavras, mas sim pelo coração. Perdoar é não guardar mágoas, é aceitar as imperfeições daquele que te feriu. Perdoar é compreender que só se fere aquele que esperava mais de quem pouco podia lhe dar.
  Não nos basta perdoar uma, duas ou três vezes, mas devemos perdoar sempre, não no sentido de sermos coniventes com os erros do outro, mas no sentido de não guardarmos o remorso. Quando teu irmão errar para contigo, vai e resolve o problema entre você e ele somente, mostre que o amor de Jesus foi exemplo entre os homens e que precisa ser compreendido e seguido.
  Quem além de perdoar, auxilia seu irmão a se esforçar para controlar e eliminar suas imperfeições, faça mais do que o seu limite para ajudar, pois estará fazendo exatamente aquilo que gostaria que lhe fizessem. Ora, qual de nós não errou na vida? Qual de nós nunca pediu perdão? Qual de nós não ficou mais triste ainda quando não foi perdoado?
  Se a oportunidade de perdoar e auxiliar lhe surgir, aproveite-a, pois ela é um infalível meio de se evoluir espiritualmente conforme os ensinamentos de Jesus Cristo.
  Nunca perdoe para se exibir, pois se o fizer, somente estará mostrando-se orgulhoso e com isso nada de bom trará para si e nem para os que vêem o teu exemplo. O perdão deve surgir do sentimento sublime e eterno chamado amor.


quarta-feira, 11 de julho de 2012

CONQUISTA ÍNTIMA




Emmanuel 
(Psicografia de Francisco Cândido Xavier)


Todos os estados enfermiços da alma se assemelham, no fundo, aos estados enfermiços do corpo, solicitando remédio adequado que lhes patrocine a cura.
E a impaciência que tantas vezes gera rixas inúteis é um deles, pedindo o específico da calma que a desterre do mundo íntimo.
Como, porém, obter a serenidade, quando somos impulsivos por vocação ou por hábito?
Justo lembrar que assim como nos acomodamos, obedientes, para ouvir o professor trazido a ensinar-nos, é forçoso igualmente assentar a emotividade, na carteira do raciocínio, a fim de educá-la, educando-nos; e, aplicando os princípios de fraternidade e de amor que abraçamos, convidaremos os nossos próprios sentidos à necessária renovação.
Feito isso, perceberemos que todo instante de turvação ou desequilíbrio, é instrumento de teste para avaliação de nosso próprio aproveitamento.
Aprenderemos, por fim, que, diante da crítica, estamos convocados à demonstração de benevolência; diante da censura, é preciso exercer a bondade; à frente do pessimismo, somos induzidos a cultivar a esperança; ante a condenação, somos indicados à bênção; e que, renteando com quaisquer aparências do mal, é imperioso pensar no bem, dispondo-nos a servi-lo.
Entregando-nos com sinceridade a semelhantes exercícios de compreensão e tolerância, estaremos em aula profícua, para a aquisição de valores eternos no terreno do espírito.
É assim que, em matéria de paciência, se a paciência nos foge, urge reconhecer que, perante as circunstâncias mais constrangedoras da vida, estamos, todos nós, no justo momento de conquistá-la.

(Do livro "Rumo Certo", Emmanuel, Francisco C. Xavier)

terça-feira, 10 de julho de 2012

Máscaras



  Na vida em que vivemos, temos contato com muitas pessoas, pessoas estas as quais nem sempre são o que aparentam ser. Utilizam máscaras que as escondem de nós, que disfarçam os verdadeiros interesses.
  Descobrimos quem são estas pessoas ao comparar as atitudes de falsa caridade e amor no trabalho, na escola, no dia à dia com chefes, amigos e conhecidos com as atitudes de agressividade, ódio, revolta apresentadas dentro do lar, com a família.
  Ora, se o ser pode ser cordial com um desconhecido, por que então não o é com seu familiar?
  Simples e puro interesse em cada atitude é a resposta. Quando se é amável com o chefe, muitas vezes almeja-se um cargo melhor, um salário melhor, quando se é amável com um amigo, muitas vezes deseja-se um favor, uma ajuda com algo importante no mundo materialista, quando se é amável com um desconhecido, é evidente o interesse em algo, mas quando se é arrogante com as pessoas que vivem ao nosso lado no lar, então mostramos a verdadeira face do lobo escondida sob a pele do cordeiro.
  Viver tal situação em que se tem 2 personalidades em uma única pessoa pode causar um sofrimento muito grande, principalmente às pessoas que idolatram cantores, artistas, celebridades. Essas pessoas vão tão à fundo em suas ilusões que criam uma consciência de que podem até ser o próprio ídolo. Com o tempo, a separação entre a realidade de quem se é e a ilusão de quem se quer ser acaba se estreitando e a pessoa pode vir a não conseguir mais separar um personagem do outro, causando um enorme transtorno em sua vida.
  Devemos ser sinceros em tudo o que fazemos, devemos ser transparentes e únicos. Fingir ser alguém para agradar outrem é o mesmo que mentir, o que é errado. Viver uma fantasia de que se é um artista famoso apenas para saciar a sua sede de luxo e fama, também é prejudicial para o seu próprio desenvolvimento, pois gera fanatismo e pode levar a pessoa à perda do controle emocional.
  Sejamos autênticos no lar e no trabalho, na rua e na escola, com tudo e com todos, sejamos apenas nós mesmos e não tenhamos vergonha de ser quem somos, pois estamos aqui para aprender e evoluir, não para mentir e se iludir.


domingo, 8 de julho de 2012

Homeopatia


Qual seria a ótica da Doutrina Espírita para a Homeopatia? Neste vídeo, Juan Marcelo procura interpretar o mecanismo da Homeopatia sob o ângulo espírita, já que algumas (poucas) obras espíritas abordam o tema.

Cabe ressaltar que a Doutrina Espírita não tem qualquer compromisso ou vinculação nem com a Homeopatia, tampouco com a Cromoterapia, Aromoterapia, Terapia de Cristais, Psicoterapia, Psicanálise etc, eis que são ciências diversas, com objetos diversos. O que faz o Espiritismo é se utilizar de todos os mecanismos no auxílio aos necessitados, pois o Cristo disse 'Amai-vos uns aos outros', isto é, aplicai vosso esforço nesse sentido, com todos os recursos que estiverem ao alcance.

Abraços a todos, e fiquem na paz de Jesus Cristo.


sexta-feira, 6 de julho de 2012

Doenças



Autor: José Carlos Pereira Jotz

  O que é saúde e o que é doença à luz da doutrina espírita?

  Doença e saúde se referem ao estado em que se encontram as pessoas e não ao estado de órgãos ou partes do corpo.
  O corpo físico nunca está só doente ou só saudável, já que nele se expressam realmente as informações da consciência.
  O corpo de um ser humano vivo deve seu funcionamento ao espírito que o habita.
  Quando as várias funções corporais se desenvolvem em conjunto dentro de uma harmonia, ele se encontra num estado que denominamos de saúde.
  Se uma função falha, ela compromete a harmonia do todo e então falamos que ele se encontra em um estado de doença. A doença é a perda relativa da harmonia.
  Esta perturbação da harmonia acontece à nível de consciência, que é a parte espiritual do ser, enquanto o corpo é a forma de apresentação desta desarmonia.
  O nosso “não consciente” envia mensagens ao nosso “consciente”, sob a forma de tensões ou sofrimentos físicos e emocionais. Procurando “silenciar” esta tentativa de comunicação, utilizamos medicamentos para acabar com os sintomas, sem perceber o que gerou os mesmos.
  Para se dar conta de onde está situada a causa inicial, médicos e pacientes precisam aprender não apenas a perceber o que é visível na luz, mas também identificar o que está escondido na sombra.
  Por que médicos e pacientes precisam aprender a perceber onde está a causa inicial?
  Médicos porque tem o papel de orientar. Se não souber a causa, irá tratar apenas a conseqüência.
  Pacientes porque são os principais interessados e responsáveis por sua cura.

Origem da desarmonia no perispírito

  Sabemos todos que o perispírito:
É preexistente e sobrevivente à morte do corpo material, transmitindo suas vontades ao corpo físico e as impressões do corpo físico ao espírito;
  Que o envoltório carnal se modela e as células se agrupam de acordo com a forma perispiritual;
  Que as qualidades ou defeitos, faltas, abusos e vícios de existências passadas registrados no perispírito reaparecem no corpo físico como enfermidades e moléstias.
  Inúmeras almas já renascem “adoecidas”, ou seja, com os componentes psíquicos enfermiços. Em grande parte dos casos o componente inicial desta enfermidade é a falta de auto-amor.
  O amar a si mesmo ainda é uma lição que todos temos de aprender. Muitas reencarnações têm por objetivo precípuo restabelecer o desejo de viver e recuperar a alegria de sentir-se em paz. Uma conseqüência da falta do auto-amor é a depressão.

O que é depressão?
Como se pode conceituar depressão à luz do conhecimento espírita?


  Depressão é cansaço de viver, é não aceitar a vida como ela é.
  É a “doença prisão” que cassa a liberdade da criatura rebelde, viciada em ter seus caprichos atendidos.
  É uma intimação de leis da vida convocando a alma a mudanças inadiáveis.
  Em tese, depressão é a reação da alma que não aceitou sua realidade pessoal como ela é, estabelecendo um desajuste interior que a incapacita para viver plenamente.
  No capítulo “Receituário oportuno” do livro “Escutando os Sentimentos” de Wanderley S. de Oliveira, Ermance Dufaux nos diz ser necessário ingerir três medicações com freqüência:
  1.Acreditar que merece a felicidade, assim como todos os seres humanos (ser feliz é contentar-se com o que se é, sem que isso signifique estacionar; é o amor a si);
  2.Parar de encontrar motivos externos para suas dores, encontrando-lhes as causas íntimas (dentro de cada um está a cura para todos os seus males);
  3.Parar de pensar em felicidade para depois da morte e tentar ser feliz ainda em vida (a felicidade resulta da habilidade de consolidar o sentido da vida a partir do “olhar de impermanência”).

As  emoções e os chakras

  Sabemos quando a consciência de uma pessoa está desequilibrada, pois a mesma torna visível e palpável na forma de sintomas físicos ou psicológicos o seu desequilíbrio, existem desarmonias registradas a nível perispiritual. É o ser humano que está doente (espírito) e não o seu corpo físico.
  Como os chakras fornecem energia sutil aos diversos órgãos do corpo, os bloqueios e conflitos emocionais podem resultar num fluxo energético anormal para diversos sistemas fisiológicos. Com o tempo, esses fluxos anormais de energia podem produzir doenças de maior ou menor gravidade em qualquer órgão do corpo.
  O stress emocional é um importante fator no processo de produção de doenças. Os conflitos emocionais, os sentimentos de impotência e a falta de amor por si próprio podem ter efeitos nocivos sobre o funcionamento dos principais chakras.
  A  falta de amor a si ou auto-imagem ruim pode causar bloqueio no chakra cardíaco, o qual, secundariamente, afeta o funcionamento do timo, debilitando o sistema imunológico. Também pode afetar os pulmões contribuindo para as doenças respiratórias.
  A  forma inadequada de expressar verbalmente o que sente ou a não expressão verbal dos sentimentos internos pode interferir na função do chakra laríngeo. Esta pode ser a causa de muitos casos de amigdalites ou transtornos de tireóide.
  Nossas doenças são freqüentemente um reflexo simbólico dos nossos estados internos de intranqüilidade emocional, bloqueio espiritual e desconforto. Isto sugere que a prescrição de medicamentos de efeito rápido, que aliviem apenas temporariamente os sintomas agudos da doença, não é a solução ideal para minorar os problemas do paciente, dentro de uma perspectiva reencarnacionista.
  A medicina do futuro deverá ensinar os pacientes a reconhecer os fatores emocionais e energéticos sutis que podem predispô-los a determinados estados mórbidos. Terá mais facilidade em detectar disfunções nos chakras, corpos emocional, etérico e mental.

Hereditariedade
Por que ficamos doentes se aparentemente fazemos tudo certo?


  A hereditariedade existe, mas os registros no perispírito, das experiências passadas da alma (psíquico, intelectual, profissional, moral e emocional), determinam a formação dos órgãos no novo corpo material. A hereditariedade reflete a aproximação por afinidades vibratórias entre os membros de uma mesma família.
  Na fecundação, o gameta masculino vitorioso está impulsionado pela energia do perispírito do reencarnante que encontrou nele os fatores genéticos necessários para a programação reencarnatória. Os códigos genéticos da hereditariedade, em consonância com o conteúdo vibratório dos registros, vão organizando o corpo físico.
  As enfermidades graves decorrem de faltas passadas e contribuem para o aprendizado, reparação e restauração dos atos inadequados, além da elevação da alma.
  Certos acontecimentos e doenças são permitidas pelo plano espiritual para estimular o espírito a cumprir compromissos com a sua jornada evolutiva.
  Assim, enfermidades ou acidentes inesperados, carência afetiva, dificuldades econômicas, são meios utilizados para despertar da anestesia da ilusão ou da intoxicação do orgulho, egoísmo, cólera, etc, a que muitos se submetem .
  Tabaco, álcool, drogas, excesso no sexo e na alimentação, são de livre opção atual, não incursos originalmente no processo evolutivo de ninguém. Quem a qualquer deles se vincula, colherá o efeito prejudicial, não se podendo queixar ou aguardar solução de emergência.

Energia vital. Como equilibrá-la?

  De um ponto de vista energético, o corpo físico debilitado oscila numa freqüência diferente daquela quando em estado saudável.
  Quando a pessoa é incapaz de alterar o seu modo energético para a freqüência adequada, talvez seja necessário aplicar-lhe certa dose de energia sutil, o que pode fazer com que seus sistemas bioenergéticos passem a vibrar de forma apropriada.
  Existem formas de tratamento que interagem também com a energia do ser humano como a acupuntura, a homeopatia, a antroposofia, a cromoterapia, os florais, os fatores de auto-organização, os elixires de pedras preciosas, o passe magnético, a prece, a água fluída, etc.
  No entanto, a medicina não deve ter como foco apenas o tratamento do corpo, pois desta forma não obterá a cura, apenas melhora dos sintomas.
  Pesquisas realizadas com ajuda de clarividentes sugerem que as doenças iniciam-se primeiramente no corpo etérico e em outros veículos de freqüências superiores. Neste caso os sinais de doenças poderão ser percebidos no corpo etérico antes que seja possível detectá-los no corpo físico.
  O ideal é que se possa detectar as doenças num estágio suficientemente precoce para que impeça a manifestação física da doença no nível celular.
  A doença é o caminho pelo qual o ser humano pode seguir rumo à cura. Quanto maior for nossa compreensão, maior nosso aproveitamento das coisas que nos cercam.
  A cura acontece através da incorporação daquilo que está faltando e, portanto, ela não é possível sem uma expansão da consciência.
  O desenvolvimento de valores como paciência, humildade, bondade, perdão, tolerância, caridade e amor, são características de consciência plenamente desperta, de unidade perfeita e de perfeito entrosamento de Deus para com o homem. Este é o caminho da cura.

Responsabilidades de médico e paciente no processo de cura.
Papel do espiritismo


  O princípio mais importante para a medicina que trabalha com as vibrações é o conceito de que os seres humanos são sistemas dinâmicos de energia que refletem os padrões evolutivos do crescimento da alma.
  O médico não deve ser apenas um agente promotor da cura, mas também um educador. No entanto, o paciente é o principal responsável pela sua cura.
  É muito mais fácil tomar um comprimido que proporcione um rápido “conserto” do organismo, do que modificar os hábitos potencialmente insalubres que possam estar contribuindo para o problema da saúde.
  Cada ser humano é responsável pela busca do seu equilíbrio, da sua harmonia. O espiritismo auxilia no tratamento da consciência humana, lhe apresentando novos valores, educando o espírito.
  Muitos pacientes só adotam hábitos mais saudáveis após algum acontecimento traumático ou o diagnóstico de uma doença grave.
  O médico do futuro combinará o conhecimento científico e o conhecimento espiritual a fim de promover a cura em todos os níveis.

BIBLIOGRAFIA
- Porque adoecemos? Novos horizontes do conhecimento médico espirita - Associação Médico Espírita de Minas Gerais.
- Porque adoecemos? Volume II Principios para a medicina da alma. Associação Médico Espírita de Minas Gerais.
- Doenças, cura e saúde a luz do espiritismo. Geziel Andrade.
- Medicina Vibracional. Uma medicino para o futuro. Richard Gerber.
- Escutando os sentimentos. Wanderley S. de Oliveira.
- Diga-me onde doi e eu te direi por quê. Michael Odoul. Editora Campus.


quinta-feira, 5 de julho de 2012



  A fé é o pilar que sustenta todas as virtudes, é a mãe das virtudes que levam à Deus.
  A fé, junto como a esperança e  a caridade, elas formam uma trindade que o homem deve possuir. Sem esperança, não há fé e sem fé não há esperança. Sem caridade, não há fé e sem fé não há caridade. As três são movidas pelo sentimento puro e sincero do amor sublime de Deus.
  A fé precisa ser sólida, firme e real. Se construirmos um edifício sobre a base da fé, este pode sofrer se a fé não lhe oferecer uma estrutura firme. O mesmo ocorre com nossas palavras que se forem baseadas em uma fé fraca, então elas serão frias e não surtiram efeito nos corações para os quais as direcionamos.
  A fé sincera é dominadora, é persuasiva, ela é contagiante. Atinge até mesmo quem não a deseja, mostra a todos que Deus realmente existe e os convida a amá-lo. Esta não é a fé imposta, é a fé oferecida, aquela que gentilmente convence pelo amor, que alivia a dor, que dá esperança.
  É necessário ter, portanto, a fé pura, verdadeira, sincera e raciocinada. Recusar a fé cega é uma forma de se abrir as portas para um mundo melhor, trazendo amor e esperança de verdade para os que necessitam.


quarta-feira, 4 de julho de 2012

Casa Alegre



Cuidado com a memória de sua casa
O padrão vibratório de uma casa tem relação direta com a energia e o estado de espírito de seus moradores..
Tudo o que pensamos e fazemos, as escolhas, os sentimentos, sejam bons ou ruins, são energias. O resultado reflete nos ambientes, pessoas e situações.
O corpo é nossa primeira morada e nossa casa, sua extensão. É ela que nos acolhe, protege e guarda nossa história. Da mesma forma que limpamos, nutrimos e cuidamos da vibração de nosso corpo, devemos estender esses cuidados e carinhos ao lar.
Mais que escolher o imóvel e enfeitá-lo com móveis e objetos - muitas vezes guiados apenas por modismos ou pura praticidade -, a elaboração da atmosfera de um ambiente é importante porque reflete a personalidade de seu dono, dando pistas sobre seus gostos, estilo de vida, história e sonhos.
Há quem acredite que, colocando cristais, sinos de vento, fontes, espelhos, instrumentos do feng shui, é possível atrair bons fluídos e equilíbrio para dentro de casa.. Mas, é muito pouco, pois a personalidade de um ambiente vai além. Ela é conseguida dia após dia, não apenas com técnicas, mas com pequenos atos de carinho e com muita energia boa.
 
 
Além de atrair bons fluídos para nosso lar, temos todas as condições de criá-los no interior do próprio ambiente. O conjunto de pensamentos, sentimentos, estado de espírito, condições físicas, anseios e intenções dos moradores fica impregnado no ambiente, criando o que se chama de egrégora.
Você, com certeza, já esteve em uma residência ou ambiente onde sentiu um profundo bem-estar e sensação de acolhimento, independente da beleza, luxo ou qualquer outro fator externo.
Essa atmosfera gostosa, sem dúvida, era dada principalmente pelo estado de espírito positivo de seus moradores. Infelizmente, hoje em dia, é muito mais corriqueiro entrarmos em ambientes que nos oprimem ou nos dão a sensação de falta de paz e, às vezes, até de sujeira, mesmo que a casa esteja limpa. A vontade é ir embora rapidamente, ainda que sejamos bem tratados.
O que poucos sabem é que as paredes, objetos e a atmosfera da casa têm memória e registram as energias de todos os acontecimentos e do estado de espírito de seus moradores.
Por isso, quando pensar na saúde energética de sua casa, tome a iniciativa básica e vital de impregnar sua atmosfera apenas com bons pensamentos e muita fé.
Evite brigas e discussões desnecessárias. Observe seu tom de voz: nada de gritos e formas agressivas de expressão. Não bata portas e tente assumir gestos harmoniosos, cuidando de seus objetos e entes queridos com carinho.
Não pense mal dos outros. Pragas, nem pensar! Selecione muito bem as pessoas que vão freqüentar sua casa. Festas, brindes e comemorações alegres são bem-vindas porque trazem alegria e muita energia, mas cuidado com os excessos.
Nada de bebedeiras e muito menos uso de drogas, que atraem más energias.
Se você nutre uma mágoa profunda ou mesmo um ódio forte por alguém, procure ajuda para limpar essas energias densas de seu coração.
Lembre-se que sua casa também pode estar contaminada.
Aprenda a fazer escolhas e determine o que quer para sua vida e ambiente onde mora. Alegria, amor, paz, prosperidade, saúde, amizades, beleza já estão bons para começar, não é mesmo?
Reflita sobre como você vive em sua casa, no que pensa, como anda seu humor e reclamações do seu dia-a-dia. Tudo isto interfere no seu astral.
"Compartilhar mensagens positivas é colaborar com a disseminação da luz, abrindo corações, despertando consciências, contribuindo assim, para a transformação planetária.
 
Franco Guizzetti
 
 

domingo, 1 de julho de 2012

A Beleza da Criação Divina



A beleza da vida é a mais linda obra de Deus. Nosso Criado não poupou esforços para fazer com que cada criatura se adaptasse à uma necessidade a à um trabalho que pudesse interagir com outra criatura.
Vemos no vídeo abaixo, detalhes que os olhos humanos muitas vezes deixam passar por despercebidos e que se todos pudessem admirar, jamais questionariam a existência de um Deus superior e muito capaz de fazer algo tão grandioso.

Assistam e admirem a essência da vida em sua mais bela demonstração:



Abaixo vemos uma linda mensagem motivacional que Elizabeth Lacerda compartilhou conosco: