terça-feira, 12 de março de 2013

Como Entender o Porquê



  Tantas são as coisas que nos acontecem todos os dias, todas as horas, todos os instantes que é possível nos perdermos, nos desorientarmos, nos desequilibrarmos.

  Mas o acaso não existe, tudo tem o seu porquê.

  Devemos compreendê-lo então? Seria esse o nosso propósito para cada acontecimento, para cada lição?

  Acho que não!

  Certa vez eu assisti a uma palestra a qual achei muito interessante em um determinado trecho, onde o palestrante dizi: não interrogueis a sua consciência sobre o porquê de tua aflição, mas fazei melhor, interrogueis sobre para que isso lhe aconteceu.

  Quando queremos saber o porquê, acabamos nos prendendo a raiz do problema, tentando justificar a causa de todo o sofrimento, enquanto que ao fazermos isso não estaremos resolvendo a situação propriamente dita.

  Quando passamos a buscar compreender para que isso nos aconteceu, então estamos no caminho que nos levará direto a resposta esclarecedora, pois saber para que sofremos é o mesmo que entender o que é que precisa ser melhorado, corrigido e contornado de forma a vencermos a provação.

  Pouco importa quem foi que atirou a pedra, ele é apenas o porquê da situação. O vidro quebrado não vai voltar, não é mesmo? Mas ao sabermos o para que, entenderemos que era para chamar a atenção, pois sentia-se abandonado e precisava de ti. Agora que o sabes, basta dar-lhe atenção e não se quebrará mais uma só janela.

  Uma forma simples de se entender tudo o que nos ocorre é buscando silenciar a alma e interrogando a consciência, causando assim o contato do eu exterior com o eu interior, ouvindo assim os seus mais profundos sentimentos e despertando-se para mundo externo, fora daquele mundinho que você havia se fechado e recusava-se a sair.


2 comentários:

  1. Oi, Igor! Mais um excelente post! É exatamente o que eu penso, mas serviu para sintetizar a idéia: o tempo que gastamos questionando a causa da situação, é o tempo em que poderíamos estar analisando os fins. Perdemos tanto tempo nos lamentando, querendo saber os porquês e isso desvia a atenção do que de fato precisa ser pensado. Obrigada pelas palavras! Abraço! Mariana Motta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Motta, mais uma vez você veio dispensar alguns minutinhos preciosos para ler minhas postagens, obrigado querida amiga por vir me visitar. Deus lhe abençoe e obrigado pelo comentário!

      Excluir