sexta-feira, 26 de julho de 2013

O Nascimento desiguala, mas a morte iguala a todos


  Somos todos feitos da mesma matéria, constituídos de carne e osso e espírito, iguais na composição física, mas diferentes no que se refere às questões morais e intelectuais.

  Durante a vida, somos convidados a aprender a conviver com os nossos semelhantes. Encontramos pessoas de diversas características e que nos despertam reações adversas. Temos que procurar compreender esses sentimentos que sentimos e analisá-los para buscar nos corrigir se estes forem impuros.

  O rico, pode ser orgulhoso ou humilde, cabe a ele escolher. Ao se deparar com um pobre, precisa notar se sente desprezo, compaixão ou se é indiferente ao estado de seu irmão. Ao sentir compaixão, o rico mostra-se dono de sentimentos bons e merece respeito e admiração dos que o cercam, mas se agir com indiferença ou desprezo, então este precisa cuidadosamente repensar sobre esses sentimentos, o que teria levado-o a sentir aquilo, o que pode fazer para melhorar.

  Mas não é só o rico quem pode ser assim. O pobre também tem defeitos, também pode ser orgulhoso ou humilde e assim como o rico precisa cuidar de sua saúde moral.

  O Cristo veio para unir os povos, para nos fazer irmãos, amigos, amantes uns dos corações dos outros. Não veio para semear discórdia e nem para dar privilégios. Foi simples e humilde, foi bom de coração para aqueles que se arrependeram de sua soberba.

  Lembremos que as posições e o status material que vivemos na Terra são temporários e que todos vão para o mesmo lugar, para debaixo da terra firme, serem decompostos pelas mesmas larvas que comerão a carne putrificada. Quem pensa que ao se elevar na Terra estará se elevando no céu, engana-se pois é justamente o contrário. Os menores, os mansos de coração e humildes serão os primeiros na hierarquia espiritual.

  Não acumulemos tesouros na Terra, porque não poderemos levá-los daqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário