quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Se te faltar reconhecimento, lembra-te de que a melhor caridade é anônima!


  Mesmo quando houver a mais pura boa vontade em dar palavras de boa fé e estender a mão com carinho e amor, não é sempre que seremos recebidos da forma que gostaríamos.

  Inimigo de toda a humanidade, o orgulho preenche nossos corações e muitas vezes impede que ajudemos ou sejamos ajudados por alguém. É por isso que nem todos vêem o que as boas pessoas tentam fazer de bom, mas é comum que vejam o que elas deixaram de fazer.

  Tenhamos piedade daqueles que agem assim, pois não sabem o que estão fazendo. Estão realmente cegos pelo orgulho, vendados com o véu negro que bloqueia a luz do amor e que impede o progresso do espírito imperfeito.

  O Cristo nos pediu para semear a Boa Nova, pediu para doarmos todo o amor que temos sem reclamarmos e mesmo que esse amor fosse recusado, pediu para que não ficássemos tristes, pois cedo ou tarde quem o recusou irá clamar por esse mesmo amor, como o faminto que pede por um prato de comida para não morrer de fome.

  Cada um de nós tem o seu tempo e é na hora certa que o véu do orgulho se desfaz, dando oportunidade a claridade emitida pelo espírito humilde que abre o caminho para um novo amanhecer cheio de boas oportunidades.

  Evitemos tentar sermos os salvadores do mundo, pois somos imperfeitos demais para agirmos como tal, mas tentemos, dentro de nossas limitações, fazer o maior esforço possível para fazer o bem sem nada esperarmos em troca, nem mesmo o reconhecimento pelo que fazemos. Agindo assim, pouco importa se o que vêem é só o que deixamos de fazer, pois Deus vê muito mais do que as pessoas. O bondoso Criador vê o íntimo de cada um de nós e sabe os que tem boa vontade para com o próximo e os que fingem serem bons filhos.

  As recompensas pela caridade virão, não neste mundo, não agora, mas no momento oportuno em que melhor pudermos desfrutar delas. Trabalhemos doando amor sem nada esperarmos em troca, façamos sem querermos ser reconhecidos, mas busquemos reconhecer a nós mesmos, cada um vigiando seus próprios atos e observando os erros para que possam ser corrigidos e evitados. Ao fazermos isso veremos o nosso crescimento moral e intelectual e abraçaremos a paz de espírito que nos garantirá passagem livre para o amor eterno.

Nenhum comentário:

Postar um comentário