terça-feira, 29 de outubro de 2013

Do que temos tanta sede?


  Na última quinta-feira tive a oportunidade de assistir uma valiosa palestra na casa espírita a qual frequento. Nesta palestra, fora abordado o seguinte assunto: Quantos livros são vendidos em média considerando apenas as 5 obras do Pentateuco Espírita?

  A resposta é a seguinte com base em dados de apenas 1 editora, lembrando que há outras mas que mantêm uma média aproximada:

3 milhões de exemplares do livro "O Evangelho Segundo o Espiritismo".
1,5 milhão de exemplares do livro "O Livro dos espíritos".
300 mil exemplares do livro "O Livro dos Médiuns".
80 mil exemplares do livro "A Gênese".
70 mil exemplares do livro "O Céu e o Inferno".

  Há aqui, nesses números, monstruosa diferença que deixa o evangelho disparado na frente e que durante a palestra foi motivo de questionamento - Por que se lê mais o Evangelho Segundo o Espiritismo do que as outras obras?

  Na explanação, fomos alertados sobre a importância de se conhecer todas essas obras por igual, buscando elevar a média de pessoas que leram o Pentateuco Espírita, sob o pretexto de termos conteúdo para quando formos abordados por pessoas de outras doutrinas que queiram nos converter, evitando sejamos envolvidos pela nossa falta de conhecimento espírita.

  Eu não concordo com essa colocação e digo mais, na madrugada de domingo para segunda-feira, fui acometido de insônia e tomado de uma linda e forte inspiração do meu mentor a vir vos escrever o que você agora você está a ler.

  Eis aqui o esclarecimento de nossa visão com relação aos números e à afirmativa sobre proteger-se daqueles que desejam nos levar para outras doutrinas:

1º_ Quem é o maior exemplo de toda a humanidade? Resposta incontestável: Jesus Cristo.

2º_ Quais são os 2 maiores mandamentos que Jesus nos deixou? Resposta facilmente encontrada no evangelho: Amai a Deus acima de tudo e amai o teu próximo como amas a ti mesmo.

3º_ A humanidade no geral já conseguiu aprender a amar como nos fora pedido no passado pelo Cristo? Resposta clara: Não, ainda não. Porém caminhamos para tempos de paz e as guerras não têm mais a frequência que possuíam no passado. Necessitamos ainda aprender com Aquele que é manso e humilde de coração.

4º_ A humanidade tem sede de que? Resposta: Duas são as sedes do homem, a primeira é a sede de Amor, a segunda é a sede de conhecimento.

5º_ Quem tem sede de amor? E onde pode saciá-la? Respostas: O humilde é aquele que tem sede de amor, pois compadece-se do sofrimento alheio e deseja evoluir moralmente. O amor é um sentimento sublime, vindo de Deus, portanto pode ser encontrado no evangelho exatamente na afirmação do Cristo: Eu sou o caminho, a verdade e a vida.

6º_ Quem tem sede de conhecimento? E onde encontrá-lo? Respostas: O orgulhoso tem sede de conhecimento, pois necessita ver-se superior ao seu semelhante, mesmo que tomado de singela curiosidade, sabe que não progrediu o suficiente no campo moral e desvia-se para o campo intelectual tentando contornar suas fraquezas. O conhecimento pode ser adquirido em qualquer arte, literatura, ciência ou até mesmo na religião, como é o caso das demais obras espíritas que ensinam a ciência espírita, o conhecimento do perispírito e do espírito, conhecimento esse muito útil à evolução da humanidade, mas que não deve ser posto na frente do conhecimento moral.

7º_ Por que devemos priorizar o conhecimento moral ao invés do intelectual? Resposta: O homem sem amor, pode ser inteligente, mas usará sua inteligência para benefício próprio. Vemos por exemplo a criação das bombas e armas que trouxeram da tecnologia, os mais tristes cenários da história da humanidade. O homem ignorante no conhecimento, mas elevado na moral Cristã, é humilde o bastante para fazer somente o bem e passa a ter uma condição muito melhor para receber os benefícios da tecnologia por meio da inspiração do plano espiritual. Imaginemos que os grandes criadores de armas atômicas, se fossem dotados de amor puro em seus corações, jamais teriam usado seus conhecimentos em algo que destruiria vidas, mas sim em recursos que salvariam a humanidade do sofrimento de doenças e escassez de recursos materiais.

8º_ Nenhuma religião é dona de toda a verdade, pois elas são obras do homem e o homem é falível. Por que então devemos estudar para não sermos convertidos? Resposta: Seja católico, evangélico, espírita, umbandista, candoblecista, budista, etc... todos temos a obrigação de nos instruir ao ponto de compreendermos completamente o que a nossa religião ou doutrina professa, mas apesar de ser uma situação chata quando alguém nos aborda com fanatismo ao ponto de querer provar que nossa religião é errada, não deveria ser esse o motivo de tanto esforço no estudo. Temos que estudar para entendermos se é realmente esse caminho que nos agrada, pois a verdadeira religião está no coração, é o amor que Deus criou. De nada vale eu ir a igreja e pensar que o padre ou o pastor é um chato que fica falando coisa com coisa, de nada vale eu ir a casa espírita e ficar dormindo na palestra e na explanação do evangelho. Lembremos que a quem muito é dado, muito será cobrado.

  Jesus nos pediu para amarmos, somente isso, porque o grande Mestre de todos nós sabia que podíamos até falar a língua dos anjos, mas sem amor, nada seríamos.

  Um médico inteligente mas sem um pingo de amor, deixaria um doente morrer no leito porque ele não tem condições de pagar um tratamento ou operação. O mesmo médico em uma condição inversa, poderia não ter o conhecimento suficiente para salvar aquele paciente, mas com amor no coração, transmitiria paz ao agonizante e estaria nos seus últimos instantes ao seu lado, dando-lhe ânimo para suportar a dor e fazendo com que aqueles derradeiros instantes fossem o mais suaves o possível.

  Conclusão sobre a média de leituras do Pentateuco Espírita: é importante que todos estudem todas as obras Espíritas incluindo as revistas espíritas, outras obras de Kardec e livros doutrinários e romances que trazem informação e um pouco de evangelização, mas, é óbvio que a humanidade busca pelo amor, o qual está contido em sua plenitude dentro dos exemplos Cristãos nos relatos do evangelho. Eis ai o motivo de tal desproporcionalidade e que não vai mudar até o dia em que todos sejamos moralmente elevados, ao ponto de termos sede apenas de conhecimento. Friso também que chegará a hora em que teremos um equilíbrio nos dois caminhos e a harmonia se estabelecerá entre todos nós, num progresso mais suave e fácil.

  Conclusão sobre estudar para não ser convertido: devemos entender que a religião é apenas seta direcionadora para Deus e quem é convertido de uma religião para outra é porque não se encontrou naquela em que estava. Bendito é aquele que encontra o seu caminho, seja qual for, mas que leve ao amor de Deus.

Obs.: todo esse conteúdo é uma reflexão que me veio por meio da intuição espiritual. Deixo claro também que isso foi apenas a introdução da palestra, pois a mesma abordou outros temas muito edificantes e que não tiram o mérito do palestrante, tais como os ensinamentos de Santo Agostinho sobre como podemos interrogar nossa consciência ao ponto de detectarmos nossas imperfeições e nos tornarmos pessoas melhores a cada dia. Mas esse tema deixarei para outro dia.

2 comentários:

  1. Podemos modificar muitas coisas em nossos caminhos, e mudar a direção, dos nossos destinos, esvaziando os nossos fardos de vidas passadas... A nossa mente é criadora e trabalha co - criando... Miramez...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vindo Miramez e obrigado pelo seu comentário.

      Abraços fraternos!

      Excluir