segunda-feira, 10 de março de 2014

Semeadura promissora.


  É bastante comum professores reclamarem das dificuldades em sala de aula, com crianças e jovens mal-educados e agressivos.
  Alguns chegam a se tomar de tristeza, admitindo que, por mais que invistam nos alunos, eles parecem permanecer exatamente do mesmo tamanho.
  Talvez fosse esse também o pensamento daquela cansada professora. Dava graças a Deus por estar aposentada.
  Com a perna esquerda a lhe doer, de forma quase constante, problemas com pressão arterial e tonteiras, pensava:
  Não tenho mais energia para ensinar, hoje em dia.
  Dirigindo-se para a fila do caixa do supermercado, ela não pôde deixar de olhar para o casal à sua frente.
  A mulher estava grávida e quatro crianças a rodeavam. O que chamou a atenção da professora foi a tatuagem no pescoço do rapaz.
  Ele esteve preso, pensou.
  Observando-o um tanto mais, viu as calças largas, a camiseta branca e o cabelo raspado.
  Deve fazer parte de uma gangue, disse para si mesma.
  Então, ele se voltou para ela. Sorriu e insistiu para que ela passasse à frente.
  Não, disse a professora. Vocês estão com crianças.
  Devemos respeitar os mais velhos, defendeu-se o homem.
  E fez um gesto largo, indicando o caminho para ela.
  Um sorriso meio desajeitado chegou aos lábios dela. Era bom encontrar um cavalheiro, afinal.
  E dizer que pensara tão mal dele. Julgara-o pela aparência. Intrigada, virou-se para ele, enquanto os itens de sua compra eram registrados pela atendente e perguntou:
  Diga-me uma coisa, rapaz: quem lhe ensinou boas maneiras?
  O rapaz abriu um sorriso, olhou-a nos olhos e afirmou:
  A senhora, sra. Simpson, na terceira série.
  A toda semeadura existe uma colheita. Quem semeia vento, colhe tempestades, diz o ditado popular.
  E Jesus, enaltecendo a semeadura, narra a Parábola do Semeador que saiu a semear.
  Isso nos diz que importante se faz a semeadura. A semeadura dos bons exemplos, do bom ensino.
  Mesmo quando se possa pensar que a semente caiu sobre pedregulhos, ou terreno inculto, existe esperança.
  Porque, às vezes, é equivocada a nossa observação. Quando as crianças parecem estar alheias a todo ensino, ainda assim absorvem as sementes.
  Logo mais ou em tempo distante, rebentarão em grãos e frutos.
  Por isso, não nos cansemos de semear, de falar o bem, ensinar o correto.
  Mais que tudo, exemplifiquemos sempre. Porque, em síntese, todos somos educadores, mesmo sem atentarmos para isso.
  A nossa delicadeza agradecendo ao atendente no comércio, a gentileza cedendo o lugar ao outro, o sorriso e um pedido de desculpas por esbarrão involuntário, tudo está sendo visto por alguém.
  E servirá de exemplo. Exemplo que contagia.
  Assim, em qualquer lugar, ensinemos sempre. Aos nossos filhos, aos nossos alunos, aos colegas de repartição, aos amigos.
  Em meio à pressa de que o Mundo parece estar pleno, pare para ajudar alguém.
  Ceda sua vez no trânsito, espere com paciência, não aumente o rol dos reclamantes e resmungões.
  Seja você o que semeia tranqüilidade em meio à confusão. O que emita uma palavra de serenidade, quando os outros se apresentam inquietos.
  Onde quer que vá, espalhe as suas sementes de paz, de delicadeza, de gentileza.
  Muito antes que você possa imaginar, perceberá no campo verdejante da sua comunidade, as flores aparecerem e os frutos se apresentarem.

Acredite nisso!

Fonte: R.M.E.

2 comentários: