quarta-feira, 9 de abril de 2014

Como ajudar alguém?


  Há diversas formas de auxiliarmos aqueles que precisam de ajuda, no entanto a mais comum tem sido dar conselhos. Um conselho pode ser útil para reflexão, mas na grande maioria das vezes não surte muito efeito. Isso se deve ao fato de que palavras sem ações não transmitem a confiança necessária para se acreditar que é possível fazer aquilo que se aconselhou, portanto elas dificilmente nos convencem por completo.

  Percebemos aqui que mais importante do que aconselhar é exemplificar na prática. Não basta aplicar sermões de que não se deve fumar, se na frente dos outros eu fumo, não basta dizer que é errado roubar, se na primeira oportunidade eu me apodero das coisas alheias, não basta dizer que é preciso se tornar uma pessoa melhor, se eu mesmo não faço uma reforma íntima para mudar meus pensamentos e atitudes.

  Jesus ensinou muitas coisas pelas palavras, mas exemplificou todas elas por gestos de humildade e bondade. Vestiu a túnica do semeador que plantava sementes de amor nos corações e depois as regava recebendo os necessitados, curando, convidando-os a pregar a boa nova, alimentando os famintos, perdoando os seus agressores pouco esclarecidos.

  Muitas vezes temos pessoas no nosso círculo familiar que precisam de muita ajuda, mas nós insistimos em aconselhar e não vemos resultado algum, mudança alguma que venha a nos alegrar o coração pelo esforço prestado. Então desistimos, porque julgamos que nunca seremos capazes de ajudá-lo. Já pensou se Jesus tivesse desistido de nós?

  Se teus conselhos não chegam ao coração do teu próximo, vai e dá bons exemplos de conduta, mostre-lhe ser possível para você fazer o bem e ele entenderá que todos o podem fazer. Nada melhor do que ver uma pessoa tão imperfeita como nós realizando aquilo que temos tanto receio de sermos capazes de fazer. É exatamente ai que renovamos forças e despertamos a coragem para mudarmos.

  Não importa se o exemplo dado foi apenas 1 vez, 2 vezes ou 100 vezes. Cada um tem o seu tempo para entender o recado e a nossa função não é mudar os outros, mas sim auxiliá-los por meio da boa conduta. Há espíritos que levam vários séculos para progredirem alguns centímetros na escala evolutiva e nem por isso seus protetores espirituais os abandonam. Enquanto nós tivermos energia para darmos bons exemplos e mostrarmos o caminho do amor e da caridade, temos que fazê-lo. Nem que dure toda esta encarnação, nem que tenhamos que voltar noutra só para seguir reavivando a memória daqueles que amamos e que necessitam entender que só o amor cobrirá a multidão de pecados.

  Que mãe que ame verdadeiramente o seu filho o abandonaria ao sofrimento? Não tentaria ela ajudá-lo até o último fio de suas forças? E mesmo que fracassasse não se levantaria novamente para tentar outras vezes? E mesmo quando perdesse as esperanças, ao ver que o filho deseja aceitar a ajuda, não abriria ela os seus braços afim de lhe receber no seio materno e dar-lhe nova oportunidade?

  Ninguém pode forçar o outro a mudar, mas todos podemos deixar vivo na memória dos que nos cercam, o caminho a ser seguido, perdoando e amando, agindo com serenidade e humildade, acolhendo e compartilhando, porque o bom exemplo se torna imagem viva e eterna na memória do espírito.

2 comentários:

  1. Muito bom e serve também para os doutrinadores/dialogadores!
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gabi, obrigado pela sua participação, também acredito que sirva para os doutrinadores e dialogadores.

      Excluir