terça-feira, 16 de setembro de 2014

Poema: Amor (por Samara Cristina)


Disse Jesus;
Deixai que venha a mim as criancinhas,
Pois tenho o leite que fortalece os fracos,
Deixai que venham a mim os necessitados,
Os que sofrem, os infortunados.

Eu lhe ensinarei o grande remédio,
Que suaviza os males,
Lhe mostrarei o segredo
Da cura de suas feridas...

O balsamo soberano, que cura,
as chagas do coração...
E o amor é a caridade...
Virtude que consola a nossas almas.

Se tu possuis o fogo divino, a fé,
Diga a todo instante de tua vida,
Meu pai, que a vossa vontade se faça, não a minha.

Se me é oportuno experimentar,
A angústia da dor, o sofrimento,
Bendito seja, porquanto é para meu bem,
Pois, sei que a mim o Senhor protege.

Se tu amigo, possuis o amor,
Possuis tudo o que há de desejável na terra,
O amor guia, o amor consola,
Preciosa pérola é o amor que nos corações habita.

Tão sublime é o amor,
Que sempre protege, até de nós mesmos.
Nem as maldades ou as perseguições
Irão nos alcançar...

Se possuis o amor...
Ele apagará de nossas almas
Tudo o que seja capaz de lhe conspurcar a pureza.
Afastará todo o "sentimento"que nos afasta de Deus.

Sentirás assim, resignado, feliz,
Pois sentirás diminuir dia a dia,
O peso da matéria... Livre viverás,
Voarás como um pássaro...

Assim subiremos ao céu,
Com o coração puro, alma leve,
Como o coração de uma criancinha,
Limpo de todo o mal...

Sigamos então em direção,
Ao pai, cultivemos o amor,
Até que nossos espíritos atinjam a pureza,
De quando foram criados pelo pai.

Um comentário: